Ações do documento

Depoimento de Marcola comprova ação do PCC em presídio

por micelliúltima modificação 10/02/2008 10:25 Agência Câmara


O depoimento de Marcos William Camacho, o Marcola, nesta quinta-feira à CPI do Tráfico de Armas comprovou que a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) controla presídios de São Paulo. A afirmação é do relator da comissão, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que, acompanhado de outros sete integrantes da CPI, ouviu Marcola no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, no interior de São Paulo.

O depoimento de Marcos William Camacho, o Marcola, nesta quinta-feira à CPI do Tráfico de Armas comprovou que a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) controla presídios de São Paulo. A afirmação é do relator da comissão, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que, acompanhado de outros sete integrantes da CPI, ouviu Marcola no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, no interior de São Paulo.
Paulo Pimenta explicou que o depoimento foi importante, pois mostrou como o PCC assumiu o controle dentro dos presídios e montou um arsenal capaz de fazer frente ao das forças policiais. Ele lembrou que o PCC é a organização criminosa que adquire o maior volume de armas e munições ilegais no País.

Atuação de advogados
Marcola voltou a negar o envolvimento com a onda de violência que atingiu São Paulo entre os dias 12 e 19 de maio. Ele também negou ter recebido de seus advogados a gravação de uma reunião reservada da CPI na qual se discutiam as estratégias do governo paulista para o combate ao crime. Apesar das declarações de Marcola, o relator Paulo Pimenta disse estar convicto do papel de advogados como pombos-correios do PCC. "Não detalhamos especificamente a questão daqueles advogados. Mas saímos com a convicção de que existem, sim, advogados cumprindo um papel de interligação de informações dentro do sistema. Portanto, eles servem às organizações criminosas não como seus representantes, mas como integrantes desse sistema", afirmou.

Indícios
Para o sub-relator da CPI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), não há mais dúvidas sobre a liderança de Marcola dentro do PCC nem sobre o envolvimento da organização criminosa com os atentados que deixaram mais de 100 mortos em São Paulo. "Reunimos uma série de indícios que comprovam que ele é, sim, o líder inconteste do PCC e que o PCC tem a responsabilidade por tudo aquilo que aconteceu em São Paulo", afirmou Jungmann.
Ele disse ainda que o depoimento de Marcola gerou um conjunto de subsídios fundamentais para o combate ao tráfico de armas. Nenhum deputado, no entanto, revelou detalhes para não prejudicar o andamento das investigações da CPI.
Os parlamentares viajaram até o presídio de Presidente Bernardes sob proteção da Polícia Federal. Acompanharam o depoimento, o presidente da CPI, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), e os deputados Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), João Campos (PSDB-GO), Luiz Couto (PT-PB), Neucimar Fraga (PL-ES) e Pompeo de Mattos (PDT-RS).

Reportagem - José Carlos Oliveira/ Rádio Câmara
Edição - João Pitella Junior

Agência Câmara



Menu
 

Copyrigth 2006 - 2008 Servidor Público.net
Este site foi desenvolvido pela Simples Consultoria utilizando o Plone.