Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias 2009 Agosto 29 STF rejeita pedido para plenário do Senado analisar denúncias contra Sarney
Ações do documento

STF rejeita pedido para plenário do Senado analisar denúncias contra Sarney

por ericofúltima modificação 29/08/2009 15:49 http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/08/29/materia.2009-08-29.7517410086/view


O Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou o mandado de segurança com pedido de liminar apresentado por <a href="http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/08/27/materia.2009-08-27.4220514240/view">sete senadores</a> para...

Brasília - O Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou o mandado de segurança com pedido de liminar apresentado por sete senadores para que as denúncias contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), fossem apreciadas pelo plenário da Casa legislativa.

O ministro Eros Grau considerou prejudicado o pedido, negando seu seguimento. Grau substituiu o relator do mandado de segurança, ministro Joaquim Barbosa, que saiu de licença-médica no último dia 10. Inicialmente, a matéria tinha sido entregue ao ministro Celso de Mello, que se declarou impedido de julgá-la por questões de foro íntimo. Mello chegou ao STF em 1989, indicado por Sarney, quando o senador maranhense ocupava a Presidência da República.

O mandado de segurança foi apresentado ao STF na última quinta-feira (27) pelos senadores José Nery (P-SOL-PA), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Renato Casagrande (PSB-ES), Jefferson Praia (PDT-AM), Demóstenes Torres (DEM-GO), Pedro Simon (PMDB-RS) e Kátia Abreu (DEM-TO).

O grupo contestava uma decisão da Mesa Diretora do Senado, que arquivou um recurso apresentado logo após o Conselho de Ética rejeitar as denúncias contra Sarney, acusado de quebra de decoro parlamentar. O recurso teria sido arquivado com base na alegação de que não existem normas prevendo a possibilidade de recurso ao plenário contra decisões do conselho.

Para os senadores que assinam o mandado de segurança apresentado ao STF, o arquivamento do recurso pela Mesa Diretora é inconstitucional, já que impede a manifestação do plenário. O grupo lista sete supostos motivos para a abertura de processo contra o presidente do Senado:  nepotismo e apadrinhamento por meio de atos secretos; uso de influência para beneficiar um neto na obtenção de contratos na Casa; práticas ilícitas de dois ex-diretores da gestão de Sarney; ocultação de dois imóveis no valor de R$ 4 milhões e R$ 500 mil da Justiça Eleitoral; malversação de recursos repassados pela Petrobras à Fundação José Sarney; omissão e inverdade sobre o papel dele na fundação e operação imobiliária feita com sonegação de imposto.



Menu
Senado Brasileiro

Fora...

Sarney
Calheiros
Collor
Suplentes
ingenuidade

publicidade
 

Copyrigth 2006 - 2008 Servidor Público.net
Este site foi desenvolvido pela Simples Consultoria utilizando o Plone.